Projetado para ser sinônimo de inovação, tecnologia e segurança, o Projeto Bloco 8 terá como produto um minério de alto teor o que lhe garante demanda diferenciada no mercado mundial. O produto de alto teor contribui para redução de custos na produção do aço, menor consumo de insumos e diminuição na geração de poluição atmosférica, aspectos que são cada vez mais estratégicos na definição de qualquer negócio.

Além disso, o Projeto Bloco 8 se alinha aos esforços da indústria mineral brasileira para gerar riquezas dentro do próprio país e atende os objetivos de inúmeros programas e planos governamentais de desenvolvimento industrial e socioeconômico para a região norte mineira onde ele será implantado.

O investimento atual previsto é de 2,1 bilhões de dólares e a produção estimada é de 30 milhões de toneladas de pellet feed (base úmida) por ano.

*O pellet feed é um tipo de minério com grãos bem finos (abaixo de 0,15 mm) e com alta concentração de ferro.

O histórico

O Projeto Bloco 8 teve sua origem no antigo Projeto Vale do Rio Pardo o qual era composto por uma área mineração e uma usina de tratamento de minério localizadas na região norte de Minas Gerais. Estava previsto ainda um mineroduto, de cerca de 482km, que tinha como destino o Porto Sul, desenvolvido pelo governo da Bahia, em Ilhéus.

No segundo semestre de 2017, os acionistas da Honbridge Holding Ltd. decidiram reestruturar o modelo de negócios da SAM.

O projeto, chamado agora rebatizado de Projeto Bloco 8, passou por importantes otimizações para promover a redução de impactos ambientais e o aumento de sua segurança operacional. Além disso, ele é composto agora pela futura barragem do rio Vacaria que fornecerá água para suas operações e para a região. A distribuição de água para as comunidades será de responsabilidade do governo do Estado de Minas.

A logística do minério ficará a cargo de uma empresa independente.

Tecnologia e inovação

A tecnologia de concentração mineral representa papel especialmente crítico no Projeto Bloco 8, dado o baixo teor médio do depósito (cerca de 20% de Fe) e sua mineralogia característica.

Em sua trajetória, a SAM direcionou substanciosos recursos e esforços no desenvolvimento da tecnologia de beneficiamento utilizada na usina de tratamento de minério do Projeto Bloco 8, envolvendo renomadas instituições nacionais e estrangeiras como Bokela, CITIC, CSU University, FlSmidth, HDA, Inbrás/Eriez, LCT/USP, Metso, Outotec, SGS/Geosol, Weir/KHD, Brass, CETEM e Fundação Gorceix.

O processo desenvolvido envolve britagem, moagem, deslamagem, pré-concentração magnética de alto campo e flotação. Apesar de serem operações unitárias consagradas no tratamento de minério de ferro, envolvem, neste caso específico, reagentes e condições operacionais inéditas. Tais características permitem elevada recuperação e produção de concentrado de alto teor que encontra posição privilegiada no mercado e alta competitividade nos custos por tonelada processada, fatores estes fundamentais para a viabilização do projeto.

Acreditamos que, em função das várias inovações tecnológicas, de processo e de engenharia, introduzidas pela SAM, o projeto Bloco 8 representará um novo paradigma e ponto de partida da viabilização de vários outros depósitos minerais similares existentes na região.

Status do Projeto

O Projeto Bloco 8 está em fase de desenvolvimento.

Estão sendo realizados estudos de engenharia, bem como os estudos necessários ao seu licenciamento ambiental.

O licenciamento é realizado em três etapas diferentes e conduzido pelo órgão ambiental responsável. O Projeto Bloco 8 está em processo de obtenção de sua Licença Prévia, que atestará a sua viabilidade ambiental.